CHAMADAS ABERTAS

Submissão até 21.02.21

O seu artigo será capítulo do livro!!

Livro 1 - AÇÕES EDUCATIVAS EM TEMPOS DE PANDEMIA

Livro 2 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM PERSPECTIVA: PESQUISAS E RELATOS DE EXPERIÊNCIA

Livro 3 - BRADOS DECOLONIAIS DAS GEOGRAFICIDADES BRASILEIRAS

Livro 4 - DIREITO E CINEMA LATINO-AMERICANO

Livro 5 - ENGENHARIAS EM DIREÇÃO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Livro 6 - FOUCAULT E A SAÚDE: ESTUDOS INTERDISCIPLINARES

Livro 7 - GÊNERO E DIVERSIDADE: INSTRUMENTOS DE PROMOÇÃO SOCIAL E ATENÇÃO A SAÚDE

Livro 8 - INTEGRALIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS, DESAFIOS E POSSIBILIDADES NO CONTEXTO PANDÊMICO BRASILEIRO

Livro 9 - PSICOLOGIA E PANDEMIA: POSSIBILIDADES

  • Avaliação gratuita do seu artigo.
  • Livro digital com ISBN, DOI para o livro com o cadastro de todos os autores, ficha catalográfica com conselho científico, sumário personalizado, índice remissivo e código de barras. 
  • Todos os livros estão licenciados sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Sem Derivações 4.0 Internacional.
  • Investimento único por artigo: R$150,00 (cento e cinquenta reais).
  • Aceita-se até 7 autores por artigo.
  • Aceita-se todas as abordagens de pesquisa.
  • Lançamento do livro no nosso canal do YouTube.
  • O livro ficará disponível gratuitamente no site para download e livre acesso aos leitores. 
  • Indexadores: ISBN, DOI, Open Library, Skoob e Google Scholar.

Como participar: 

Envie o seu artigo para o e-mail: atendimento@editorainovar.com.br e informe o título do livro no campo "assunto".

**A avaliação é gratuita**


NORMAS PARA PUBLICAÇÃO:

*Deverá ser enviada a versão final do artigo com a correção gramatical, no formato descrito conforme orientação abaixo (normas da ABNT) e com a identificação dos autores.

*O número máximo de autores e coautores, por artigo submetido, deverá ser de até 7 pessoas.

Idioma: Português.

Aceita-se todas as abordagens de pesquisas.

• Estrutura do artigo:

- O artigo deve ser estruturado da seguinte forma: Título em português, Resumo, Palavras-chave, Título em inglês, Abstract, Keywords, introdução, desenvolvimento do texto e referências. *Nome do autor (es) e minicurrículo acadêmico com o e-mail deverá constar na primeira página como nota de rodapé.

- O documento deve ser submetido em formato doc. ou docx.
- Fonte Arial ou Times New Roman 12 e espaçamento 1,5 (um e meio) entre linhas.
- Deverá ser enviado o artigo completo e revisado com o mínimo de 10 páginas e máximo de 15 páginas (com referências bibliográficas).

- O Resumo e abstract, devem conter cada, de 100 a 150 palavras. Não deve ser redigido em primeira pessoa e deve incluir tema geral, problema de pesquisa, objetivos, métodos e principais conclusões.- As Palavras-chave e keyword devem ser no mínimo 3 e no máximo 5.

- Desenvolvimento: inclui procedimentos metodológicos, resultados, discussão, conclusão.
- Elementos gráficos (Tabelas, quadros, gráficos, figuras, fotos, desenhos e mapas) são permitidos apenas o total de cinco elementos, numerados em algarismos arábicos na sequência em que aparecerem no texto. Devem estar em formato original que permita sua edição e devem ser incluídos no corpo do texto. Todo os elementos gráficos devem possuir fonte, incluídos aqueles elaborados pelos autores. Observar as normas da ABNT para referências e inserção de legendas e fontes em cada elemento.
- Imagens coloridas e em preto e branco, digitalizadas eletronicamente em .jpg com resolução a partir de 300 dpi, apresentadas em dimensões que permitam a sua ampliação ou redução mantendo a legibilidade.
- As citações no corpo do texto e as referências deverão obedecer as normas da ABNT.
- Todas as referências devem ser apresentadas de modo correto e completo. A veracidade das informações contidas na lista de referências é de responsabilidade do(s) autor(es).

- Os autores mantém o direito autoral do manuscrito.

ETAPAS

  • Envio do artigo na versão final para o e-mail: atendimento@editorainovar.com.br. Informe o título do livro no campo "assunto".
  • Avaliação, pela Editora do trabalho e retorno com o resultado após análise (avaliação é gratuita).
  • O resultado da análise será enviado para o e-mail do autor (a), caso aprovado, no prazo de até 30 dias após a data final para envio dos artigos.
  • Envio do Termo de Identificação e Responsabilidade Autoral, no caso de aprovação do artigo.
  • Pagamento pela publicação é por artigo, após ser aprovado.
  • O autor fará um investimento único de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais), que poderá ser pago em até 6x nos cartões de crédito pela plataforma paypal ou à vista por boleto bancário.
  • Início da edição do livro.
  • Previsão de publicação: o livro estará disponível para download gratuito no site da Editora Inovar em até 90 dias após o início da edição.
  • Fazemos os lançamentos de todos os livros nas nossas redes sociais. Conecte-se com a gente!

Este prazo poderá ser prorrogado em função do número de trabalhos enviados ou outra razão plenamente justificável.

Informações Importantes:

  • É proibido plágio.
  • Os trabalhos podem ser de autoria individual ou coletiva (no máximo sete autores).
  • Autores: alunos que estejam cursando graduação e/ou já graduados.
  • Até 7 autores por artigo.
  • O autor pode publicar mais de 1 artigo no mesmo livro.
  • Aceita-se artigos inéditos ou que já tenham sido publicados. ** No caso do artigo já ter sido publicado, informar onde foi publicado anteriormente na nota de rodapé na primeira página.
  • Não haverá prorrogação do prazo para envio em respeito aos autores que cumprirem o regulamento.

Em caso de dúvidas sobre a formatação consulte as normas da ABNT atualizadas.

Em síntese, trata-se de um livro com o objetivo de reunir artigos que versam sobre o debate decolonial na Geografia Brasileira. A vivência no mundo acadêmico e fora dele mostra que a colonização do ser e do poder também alcançou a esfera do saber, emudecendo vozes e invisibilizando grupos sociais pelo país. Esta constatação contrasta com a percepção de uma crise no modelo civilizatório que emerge em proporções maiores que em outras épocas. Fala-se de uma condição de pós-modernidade em que a própria modernidade não possui mecanismos suficientes para suplantar suas próprias crises. Nesta toada, converge a necessidade de se (re)aprender outros saberes, outras culturas, outras vivências científicas ou não. Para tanto, busca-se aqui englobar diferentes perspectivas de estudos geográficos, sobretudo os culturais/humanísticos cuja tônica esteja em descortinar os múltiplos mundos urbanos e/ou rurais que existem dentro do projeto totalizante instruído pelo sistema e que, inevitavelmente, atinge o Brasil. Indígenas, quilombolas, faxinalenses, ciganos, tribos urbanas, populações periféricas (ou pré-capitalistas) e tantas outras formas de organização social, dentro de suas respectivas culturais, mesmo que não ocupantes das centralidades dos debates, por ocasião do logocentrismo, continuam (r)existindo e podem apresentar possibilidades outras de ocupar o espaço, seja enquanto categoria geográfica ou enquanto lacuna da ciência. Assim, o livro, a partir das diversas abordagens culturais que possam emergir das geograficidades cotidianas, busca oportunizar voz aos seguimentos sociais alijados e marginalizados pela ciência moderna e sociedade como um todo, a partir de autores que se quer comprometidos em buscar um diálogo de saberes.
Em síntese, trata-se de um livro com o objetivo de reunir artigos que versam sobre o debate decolonial na Geografia Brasileira. A vivência no mundo acadêmico e fora dele mostra que a colonização do ser e do poder também alcançou a esfera do saber, emudecendo vozes e invisibilizando grupos sociais pelo país. Esta constatação contrasta com a percepção de uma crise no modelo civilizatório que emerge em proporções maiores que em outras épocas. Fala-se de uma condição de pós-modernidade em que a própria modernidade não possui mecanismos suficientes para suplantar suas próprias crises. Nesta toada, converge a necessidade de se (re)aprender outros saberes, outras culturas, outras vivências científicas ou não. Para tanto, busca-se aqui englobar diferentes perspectivas de estudos geográficos, sobretudo os culturais/humanísticos cuja tônica esteja em descortinar os múltiplos mundos urbanos e/ou rurais que existem dentro do projeto totalizante instruído pelo sistema e que, inevitavelmente, atinge o Brasil. Indígenas, quilombolas, faxinalenses, ciganos, tribos urbanas, populações periféricas (ou pré-capitalistas) e tantas outras formas de organização social, dentro de suas respectivas culturais, mesmo que não ocupantes das centralidades dos debates, por ocasião do logocentrismo, continuam (r)existindo e podem apresentar possibilidades outras de ocupar o espaço, seja enquanto categoria geográfica ou enquanto lacuna da ciência. Assim, o livro, a partir das diversas abordagens culturais que possam emergir das geograficidades cotidianas, busca oportunizar voz aos seguimentos sociais alijados e marginalizados pela ciência moderna e sociedade como um todo, a partir de autores que se quer comprometidos em buscar um diálogo de saberes.